1 milhão em propinas ao bispo Samuel Ferreira!

Compartilhe nas redes.

Uma reportagem da revista Época mostrou parte das provas que os irmãos Batista e demais diretores da JBS entregarão à Procuradoria-Geral da República (PGR) como parte do acordo de delação premiada que pode derrubar, dentre outros, o presidente da República, Michel Temer (PMDB).

E o bispo Samuel Ferreira, líder da AD Brás, tem novamente seu nome ligado aos escândalos de corrupção que vem sendo investigados no Brasil. A suspeita agora é que ele tenha recebido, no exterior, US$ 1 milhão em propinas da JBS.

Nas provas obtidas pela revista há o registro, em planilha, do pagamento de propina a políticos de vários partidos ao longo de quase onze anos, entre 2006 e 2017. A matéria destaca os valores que chegaram às mãos dos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff (PT), e também do presidente Temer.

No entanto, um ex-ministro de Estado dos governos petistas, Antonio Palocci – preso desde setembro de 2016 e recentemente condenado pelo juiz Sérgio Moro a 12 anos de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro – é citado como um dos beneficiários do esquema de corrupção da JBS, e sua parte nas propinas teria sido entregue em uma conta do então pastor Samuel Ferreira.

Os registros apontam que dos valores repassados a Palocci, uma parte saía da conta da JBS e eram depositados em uma conta nos Estados Unidos, da qual Ferreira é beneficiário. Teriam sido feitos dez depósitos de US$ 100 mil. Os investigadores do esquema ainda não esclareceram a ligação entre Palocci e o bispo da AD Brás.

Além dos políticos de PT e PMDB, figuras do PSDB também são implicadas na delação da JBS. Nas campanhas de 2010 e 2014, a empresa de Joesley e Wesley Batista teria repassado aproximadamente R$ 42,2 milhões. Como prova, os delatores entregarão um recido de uma empresa chamada LRC Eventos, usada pela campanha de José Serra à presidência em 2010 como forma de legalizar a propina em forma de doação feita.

“Para ter controle sobre todos esses pagamentos, a JBS não criou um departamento de propina, como a Odebrecht. Poucos funcionários centralizavam esses repasses de dinheiro, que eram feitos de diferentes maneiras. Eles também fizeram acordo de delação premiada e deram detalhes desse esquema criado para corromper políticos”, repercutiu o Jornal Nacional, no último sábado, 29 de julho.

Lavagem de dinheiro

Samuel Ferreira está na mira da Justiça há quase um ano e meio. Em maio de 2016, o bispo tentou fazer com que as acusações de lavagem de dinheiro feitas contra ele na Operação Lava-Jato fossem julgadas em uma vara da Justiça Federal em São Paulo, mas o Supremo Tribunal Federal (STF) recusou a solicitação.

Dinheiro de corrupção custeava aluguel da AD Alpha, igreja de Cassiane.

Ferreira foi associado ao ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Além do bispo, a própria denominação que ele lidera entrou na mira da Justiça. A AD Brás é um braço da Assembleia de Deus Ministério de Madureira, da qual Cunha é membro. Ele teria usado a igreja para movimentar parte dos US$ 5 milhões que recebeu em propina no negócio em que a Petrobras contratou dois navios-sonda.

“Não há dúvidas de que referidas transferências foram feitas por indicação de Cunha para pagar parte do valor da propina referente às sondas”, afirmou Janot.

Compartilhe nas redes.

Comments are closed